Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
/ governosp

Ecos literários do modernismo

11 DE outubro DE 2022
Crédito: Antônio Cachiolo (Simone Nacaguma) e Acervo Pessoal (Carina Carvalho)

No ano do centenário da Semana de Arte Moderna de 22, o movimento modernista brasileiro foi muito debatido e estudado. Para ampliar o olhar para novos horizontes, a professora de Literatura Portuguesa da Unifesp, Simone Nacaguma, e a poeta e editora, Carina Carvalho, trazem para oficina on-line Ecos Literários do Modernismo: Portugal e Moçambique, realizada de 7 a 28 de outubro, reflexões sobre o modernismo português e as ressonâncias do modernismo brasileiro na literatura moçambicana.

 

Durante os encontros serão apresentados textos de autores representativos do movimento, como Fernando Pessoa, José Régio, Lídia Jorge, Noémia de Sousa, Paulina Chiziane e Suleiman Cassamo. A primeira aula começou com a explicação da diferença entre modernidade e modernismo. “O conceito de modernidade é mais amplo e envolve um processo de transformação, como o avanço tecnológico. Já o modernismo é um fenômeno histórico localizado”, explica Simone Nacaguma.

 

Em Portugal, o modernismo teve início com as revistas literárias, em especial a Orpheu, lançada em 1915, por Sá Carneiro, Fernando Pessoa e Almada Negreiros. O projeto teve apenas dois números impressos, porém sua influência foi marcante para a literatura da época. Anos mais tarde, em 1927, surge a revista Presença, consolidando definitivamente a Orpheu como uma publicação modernista.

 

O primeiro encontro contou ainda com a participação especial do professor da Unifesp, Leonardo Galdolfi, especializado na poesia de Fernando Pessoa. “O diferencial do poeta e que virou um mote para os escritores modernistas masculinos é essa pluralidade de ‘eus’, totalmente explícita nos três heterônimos mais conhecidos de Pessoa”, destaca Galdolfi. Para ele, cada nome criado pelo poeta possui uma voz diferenciada. Alberto Caiero gostava de sentir o mundo. Já Álvaro de Campos era futurista e adorava o verso livre. Ricardo Reis era neoclássico e idolatrava o passado. Já Pessoa preferia pensar o mundo.

 

Na próxima aula, as professoras irão abordar a relação do modernismo com o Estado Novo e a literatura pós-colonial. Na aula 3 será discutidaa a influência da literatura brasileira na formação literária moçambicana e o último encontro focará a leitura e discussão das obras de Paulina Chiziane e Suleiman Cassamo.  

 

 

 

Cadastre-se e receba nossa newsletter

Política de Privacidade

Este site é mantido e operado pela Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL).

Nós coletamos e utilizamos alguns dados pessoais que pertencem àqueles que utilizam nosso site. Ao fazê-lo, agimos na qualidade de controlador desses dados e estamos sujeitos às disposições da Lei Federal n. 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD).

Cookies
Cookies são pequenos arquivos de texto baixados automaticamente em seu dispositivo quando você acessa e navega por um site. Eles servem, basicamente, para que seja possível identificar dispositivos, atividades e preferências de usuários, otimizando a experiência no site. Os cookies não permitem que qualquer arquivo ou informação sejam extraídos do disco rígido do usuário, não sendo possível, ainda, que, por meio deles, se tenha acesso a informações pessoais que não tenham partido do usuário ou da forma como utiliza os recursos do site.

a. Cookies de terceiros
Alguns de nossos parceiros podem configurar cookies nos dispositivos dos usuários que acessam nosso site.
Estes cookies, em geral, visam possibilitar que nossos parceiros possam oferecer seu conteúdo e seus serviços ao usuário que acessa nosso site de forma personalizada, por meio da obtenção de dados de navegação extraídos a partir de sua interação com o site.
O usuário poderá obter mais informações sobre os cookies de terceiros e sobre a forma como os dados obtidos a partir dele são tratados, além de ter acesso à descrição dos cookies utilizados e de suas características, acessando o seguinte link:
https://developers.google.com/analytics/devguides/collection/analyticsjs/cookie-usage?hl=pt-br
https://policies.google.com/privacy?hl=pt-BR
As entidades encarregadas da coleta dos cookies poderão ceder as informações obtidas a terceiros.

b. Gestão de cookies
O usuário poderá se opor ao registro de cookies pelo site, bastando que desative esta opção no seu próprio navegador. Mais informações sobre como fazer isso em alguns dos principais navegadores utilizados hoje podem ser acessadas a partir dos seguintes links:
Internet Explorer:
https://support.microsoft.com/pt-br/help/17442/windows-internet-explorer-delete-manage-cookies

Safari:
https://support.apple.com/pt-br/guide/safari/sfri11471/mac

Google Chrome:
https://support.google.com/chrome/answer/95647?hl=pt-BR&hlrm=pt

Mozila Firefox:
https://support.mozilla.org/pt-BR/kb/ative-e-desative-os-cookies-que-os-sites-usam

Opera:
https://www.opera.com/help/tutorials/security/privacy/

A desativação dos cookies, no entanto, pode afetar a disponibilidade de algumas ferramentas e funcionalidades do site, comprometendo seu correto e esperado funcionamento. Outra consequência possível é remoção das preferências do usuário que eventualmente tiverem sido salvas, prejudicando sua experiência.