Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility

Distopia é um gênero ou tema literário?

12 DE dezembro DE 2022
Crédito: Marcos Santos

De 7 a 16 de dezembro, a Biblioteca Parque Villa-Lobos realiza a oficina Distopias Literárias e a Política no Brasil, ministrada pelo professor de Cultura e Literatura Brasileira da USP, Jean Pierre Chauvin. As aulas integram o projeto Literatura Brasileira no XXI, em parceria com a Unifesp.

Para dar contextualização ao tema a ser tratado durante os quatro encontros, o professor trouxe em primeiro lugar a definição do que é utopia, ou seja, um desejo imaginário de tornar o mundo um lugar melhor. A palavra surgiu pela primeira vez no livro Utopia, de Thomas More, de 1516. O autor relata uma excursão a uma ilha imaginária chamada Utopia, em referência a um trocadilho com a palavra em grego e latim topos: ou-topos (em nenhum lugar), eu-topos (um bom lugar) e u-topos (terra em U), em referência ao formato da ilha.

Já para conceituar o termo distopia, Jean Pierre utiliza o trabalho dos autores Gregori Clayes e Adam Roberts, importantes historiadores de ficção científica. “O termo passou a ser utilizado no século 18 e assumiu significados diferentes ao longo do tempo. Inicialmente era uma contraposição às utopias, ou seja, uma terra infeliz. Na década de 1950, passou a ser considerado o oposto de sociedade ideal, e a partir dos anos 1960, é visto como antiutopia, definido como qualquer narrativa que tenha como objetivo descrever uma sociedade infeliz e com muitos obstáculos”, analisa. 

Na literatura, a palavra é geralmente associada a uma sociedade que enfrenta um totalitarismo geral, especialmente ligado ao Estado, e com relações pragmáticas entre os personagens, construídas na base da barganha, da troca de interesses e com uma espécie de medo que contagia as narrativas o tempo todo. Além dessas, há outras características marcantes na distopia literária, como concepção binária do mundo, padronização de comportamentos, imposição de barreiras sociais, isolamento e problemas de comunicação entre os personagens.

Em relação à pergunta do título, o professor prefere classificar a distopia como um tema presente na literatura, apesar de explicar que alguns estudiosos a utilizam como gênero e até subgênero.  No segundo encontro, os temas abordados foram os contos e romances distópicos. Já na terceira aula, os alunos vão debater textos que mostram a
distopia como um alerta frente ao autoritarismo e à arbitrariedade do poder. No último encontro, a distopia será vista como uma denúncia dos limites impostos à liberdade. Ao final de cada aula, os alunos produzem textos referentes ao tema abordado no dia.

Cadastre-se e receba nossa newsletter

Governo do Estado de SP

Política de Privacidade

Este site é mantido e operado pela Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL).

Nós coletamos e utilizamos alguns dados pessoais que pertencem àqueles que utilizam nosso site. Ao fazê-lo, agimos na qualidade de controlador desses dados e estamos sujeitos às disposições da Lei Federal n. 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD).

Cookies
Cookies são pequenos arquivos de texto baixados automaticamente em seu dispositivo quando você acessa e navega por um site. Eles servem, basicamente, para que seja possível identificar dispositivos, atividades e preferências de usuários, otimizando a experiência no site. Os cookies não permitem que qualquer arquivo ou informação sejam extraídos do disco rígido do usuário, não sendo possível, ainda, que, por meio deles, se tenha acesso a informações pessoais que não tenham partido do usuário ou da forma como utiliza os recursos do site.

a. Cookies de terceiros
Alguns de nossos parceiros podem configurar cookies nos dispositivos dos usuários que acessam nosso site.
Estes cookies, em geral, visam possibilitar que nossos parceiros possam oferecer seu conteúdo e seus serviços ao usuário que acessa nosso site de forma personalizada, por meio da obtenção de dados de navegação extraídos a partir de sua interação com o site.
O usuário poderá obter mais informações sobre os cookies de terceiros e sobre a forma como os dados obtidos a partir dele são tratados, além de ter acesso à descrição dos cookies utilizados e de suas características, acessando o seguinte link:
https://developers.google.com/analytics/devguides/collection/analyticsjs/cookie-usage?hl=pt-br
https://policies.google.com/privacy?hl=pt-BR
As entidades encarregadas da coleta dos cookies poderão ceder as informações obtidas a terceiros.

b. Gestão de cookies
O usuário poderá se opor ao registro de cookies pelo site, bastando que desative esta opção no seu próprio navegador. Mais informações sobre como fazer isso em alguns dos principais navegadores utilizados hoje podem ser acessadas a partir dos seguintes links:
Internet Explorer:
https://support.microsoft.com/pt-br/help/17442/windows-internet-explorer-delete-manage-cookies

Safari:
https://support.apple.com/pt-br/guide/safari/sfri11471/mac

Google Chrome:
https://support.google.com/chrome/answer/95647?hl=pt-BR&hlrm=pt

Mozila Firefox:
https://support.mozilla.org/pt-BR/kb/ative-e-desative-os-cookies-que-os-sites-usam

Opera:
https://www.opera.com/help/tutorials/security/privacy/

A desativação dos cookies, no entanto, pode afetar a disponibilidade de algumas ferramentas e funcionalidades do site, comprometendo seu correto e esperado funcionamento. Outra consequência possível é remoção das preferências do usuário que eventualmente tiverem sido salvas, prejudicando sua experiência.