Segundas Intenções com Ferréz

0

O programa Segundas Intenções recebeu o escritor Ferréz na Biblioteca Parque Villa-Lobos (BVL), no sábado, 9 de maio. A mediação foi da professora de literatura Rita Couto. Bem-humorado, ele contou um pouco sobre a repercussão do conto publicado no jornal Folha de S. Paulo sobre o roubo de um relógio do apresentador Luciano Huck. O caso aconteceu em 2007 e rendeu um processo do Ministério Público contra Ferréz. Polêmicas à parte, o autor também falou de literatura e da situação social na periferia e citou escritores que são sua referência, como o alemão Hermann Hesse e o brasileiro Paulo Lins.

O texto Pensamentos de um ‘correria’, sobre o assalto de Huck, está no seu lançamento mais recente, Os ricos também morrem. Na obra, lançada este mês pela Planeta, o escritor mais emblemático da chamada literatura marginal transforma estas breves histórias em contos.

Na BVL, ele leu para o público o conto Sebastião. A linguagem é ágil, próxima à do rap, e os causos urbanos do cotidiano das cidades compõem um mosaico do Brasil. “As grandes mudanças só vêm com adversidade. A literatura é isso também: tumulto e adversidade. E ela desperta o senso crítico. O livro quando te dá um outro grau de discernimento na sociedade”, disse.

Com sua literatura, Ferréz conseguiu viajar o Brasil e o mundo. Seus textos já foram publicados na Itália, Alemanha, Inglaterra, Portugal, França, Espanha, México e nos Estados Unidos. Comentou que na Alemanha foi surpreendido em saber que sua música Judas foi tema de debate em sala de aula. “Foi um grande orgulho. Eu quase não acreditei. Esse rap abriu espaço para a minha obra lá. Depois teve até um texto meu publicado em uma revista alemã”.

Compartilhe

Deixe um Comentário

quinze + doze =